quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Aquecimento global mata de frio centenas de pessoas em três continentes!

 Como o post sobre a farsa do "aquecimento global" (fuuuuujaaam!!! Run to the Hills!!!) tem dado bastante "pano pra manga" (sou um cara semi-velho, expressão corresponde a minha idade), acabei de ler um comentário de um Anônimo que me levou a um link de mais um excelente post do Mises Brasil (Aquecimento global mata de frio centenas de pessoas em três continentes), como sempre. A data é de 07/01/2010, e por isso mesmo segue importante e atual.



 O título, óbvio, é uma ironia com os  ambientalistas apocalípticos que pregam o fim do mundo há décadas e seguirão assim (com muita grana no negócio, altamente lucrativo), com apoio da mídia melancia e a leniência das multidões. Segue.




Repetindo tudo aquilo que penso sobre o assunto e que venho ouvindo nos últimos anos: piores invernos, piores nevascas, mortos de frio... etc. O pior, é que ainda usam tudo isso como justificativa para validar a teoria alarmista! A culpa é do... pimba na gorduchinha! É do aquecimento global. Tudo se explica com a farsa, seja calor ou frio. Assim é fácil, igual a charge abaixo.





 Que comecem os jogos! KKKKKKK, que venham as pedradas; com as pedras não farei um "castelo" (não sou tão brega), vou é usar como peso de arremesso na catapulta. 




4 comentários:

  1. Esse tipo de fenômeno, de dias mais frios, acaba suscitando argumentos justamente por quem não acredita - por razões pessoais, interesses políticos e econômicos ou simplesmente ideologia - nas evidências de que o planeta vive um forte aquecimento.

    "Se o mundo está ficando mais quente, por que, então, está fazendo tanto frio nos Estados Unidos?", twittou recentemente o presidente americano Donald Trump, em meio a uma onda de frio ocorrida no país.

    Questionamentos semelhantes também têm sido recorrentes nos círculos do poder brasileiro. "Só por curiosidade: quando está quente a culpa é sempre do possível aquecimento global e quando está frio fora do normal, como é que se chama?", escreveu, também no Twitter, o vereador Carlos Bolsonaro, um dos cinco filhos do presidente Jair Bolsonaro.

    Outro cético assumido do tema é o diplomata Ernesto Araújo, atual ministro das Relações Exteriores do Brasil. Em uma recente reunião junto a especialistas do Itamaraty, ele usou uma observação pessoal para tentar desmentir o consenso científico ambiental internacional.

    "Não acredito em aquecimento global. Vejam que fui a Roma em maio e estava tendo uma onda de frio enorme. Isso mostra como as teorias do aquecimento global estão erradas. Isso a mídia não noticia", afirmou ele.

    Para os cientistas, esse tipo de raciocínio não encontra ecos nas aferições globais. "É um argumento que comete o erro comum de confundir tempo com clima", explica Blackpor, diante da repercussão internacional da declaração do ministro brasileiro.

    O tempo descreve a atmosfera em escalas curtas - dia a dia, semana a semana - enquanto o clima descreve as estatísticas em escalas de tempo muito mais longas, geralmente de mais de 30 anos. Eventos climáticos de curto prazo que podem causar temperaturas extremas sempre ocorreram e continuarão ocorrendo no futuro. Contudo, tendências de longo prazo no clima mostram que dias de frio extremo estão se tornando menos prováveis e menos intensos, o que é consistente com o aumento global das temperaturas."

    Pronto. Argumento invalidado. Próximo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito em aquecimento global. Próximo.

      Excluir
    2. Entendi! Exatamente igual estes mesmos “cientistas” confundem poluição local com aquecimento global! Tá explicado.

      Excluir
    3. Ótima resposta, kkkkkkkkk. Cuidado que o mundo vai acabar! Nada de carros ou criar bois, são um perigo!

      Excluir

Conto com a boa educação e colaboração de todos! Comentários ofensivos não serão publicados. Aqui, compartilhamos uma jornada rumo à independência financeira.

Petistas, comunistas, socialistas, bolivarianistas e demais escroques, aqui vocês não são bem vindos.