segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Você tem um paraquedas??? Não??!!










 Você tem um paraquedas? Não? Pois bem, se pretende investir no mercado de renda variável então deveria obrigatoriamente ter um "paraquedas financeiro". E se você perder seu emprego? Uma doença que te afaste do trabalho ou de um ente querido que precise da sua ajuda? Investiu sua única grana na bolsa e ela AFUNDOUIndependente do nome dado a esta reserva financeira, ela não deve ser encarada como investimento. Reserva é reserva, não tem outro fim senão nas horas de desespero. Texto retirado hoje do site UOL Economia.



"Do you have a parachute, dude???"


Reserva de emergência: onde deve ficar esse dinheiro?



SÃO PAULO – Saber onde colocar o dinheiro para formar uma reserva de emergência é fundamental, para que ela não o deixe na mão quando você mais precisar. E, de acordo com especialistas, a palavra de ordem na escolha do investimento com esta finalidade é a liquidez.
De acordo com o professor de Finanças da Fiap, Marcos Crivelaro, é preciso colocar o dinheiro em uma modalidade que ofereça facilidade de resgate, como, por exemplo, a poupança, um fundo de renda fixa ou DI. O educador financeiro Álvaro Modernell concorda: “Geralmente a poupança é a mais indicada, ainda que renda pouco, ou o Tesouro Direto. Ações não, porque oscilam muito. Se você precisar do dinheiro na baixa, pode perder no resgate”.

Quanto juntar?
A reserva de emergência deve ter um montante dependendo do vínculo empregatício da pessoa, segundo Crivelaro. Ele indica o volume de dois salários para profissionais assalariados – que contam com seguro-desemprego – e de quatro vezes o salário, no caso de profissionais autônomos - que têm oscilação nos ganhos, por conta de sazonalidades.
Já Modernell indica o montante entre três e seis vezes o valor das despesas mensais. “Este é o valor ideal, mas poucos conseguem. Não é por isso que não vai tentar. Tem de tentar juntar pelo menos uma vez o salário”, afirmou. E o prazo para isso pode ser longo. Isso porque, de acordo com os especialistas, a média que a população brasileira consegue guardar é de 10% a 20% do salário mensal. E são poucos os que chegam a isso.

“Obviamente que na cultura brasileira praticamente não sobra dinheiro, falta ou fica no zero a zero. Quem tem sobra não vai para a reserva de emergência. Reserva para uma finalidade, como comprar imóvel, carro, TV, computador”, afirmou Crivelaro, sobre a dificuldade de se guardar dinheiro sem um objetivo.

Função
A reserva de emergência deve ser usada para situações que envolvem doença e vida e itens que não são previsíveis, como multas. “A ideia é a pessoa emprestar para ela mesma, mas a juro zero”, disse Crivelaro. Segundo Modernell, a reserva é importante porque traz tranquilidade e evita despesas adicionais ou o fato de a pessoa ter de recorrer a recursos de terceiros para fechar as contas. E, normalmente, isso é feito com o cheque especial e o cartão de crédito, modalidades que podem sair caro. Mas a reserva também está relacionada com algo positivo. “Ela pode ser usada para aproveitar oportunidades: um pacote de férias de uma semana barato e que tem de se pagar à vista ou ofertas de sites de compras coletivas”.
Risco
De acordo com Modernell, a reserva de emergência deve ser o primeiro fundo a ser formado por uma pessoa, o qual deve ser reforçado com o décimo terceiro e a restituição do Imposto de Renda. O importante, neste caso, é não confundir esse dinheiro com o da aposentadoria, por exemplo.
“São coisas bastante diferentes. É importante ter essa consciência. Na reserva, o atributo é a liquidez. Na previdência privada, é rentabilidade em longo prazo”, disse.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conto com a boa educação e colaboração de todos!

Comentários ofensivos ou comunistas / socialistas / petistas - entre outras merdas - não serão publicados.